Fiel ou Infiel

sábado, 21 de janeiro de 2006

Um programa de televisão no mínimo estranho. Uma coisa que ainda não consegui perceber (não sei se será por ver poucas vezes) é o porquê da palavra fiel e da pergunta no título do programa. Mas alguém tem dúvidas se uma pessoa ao ser completamente posta à prova, sem dó nem piedade (para os homens e para as mulheres) alguém conseguirá resistir e ser forte o suficiente para evitar que um monumento nos salte para cima (literalmente)? São situações caricatas, que por vezes eu não sei se estão a ser sérios ou se aquilo é tudo encenado e todos comprados.
As situações que lá acontecem são practicamente impossíveis de acontecer na vida real, ninguém pode dizer se uma pessoa é fiel ou não se o tirarmos das situações normais da vida e os pomos numa situação completamente utópica e irresistível.
Houve, curiosamente, um programa em que o homem foi fiel, conseguiu! Não é normal mas… Bom quando chegou junto da mulher o público, sempre diferente, acusou-o de ser homossexual, será normal? Aqueles que criticam ferozmente quando o homem ou a mulher são infiéis, a chamarem de homossexual alguém que finalmente foi fiel…
Depois há de facto o reverso da medalha: se alguém em quem eu confio e presumisse que também confiava em mim me pusesse numa situação destas, eu seria o primeiro a acabar tudo, quer fosse fiel quer não. É de uma completa falta de confiança e respeito pela outra pessoa, que não sabe nem autoriza que a sua privacidade seja assim completamente devastada, explorada e exibida. É completamente descabido, alguém filmado numas cenas tão íntimas, tão próprias, tão pessoais, e depois (mesmo sendo infiel) ainda venham com um ramo de flores a pedir desculpas. Mas afinal quem tem de pedir desculpas a quem? Aquele que não resiste a uma situação desumana ou aquele que expõe a privacidade do outro sem autorização?
Está tudo ao contrário…


2 Disseram...:

Claudia Sousa Dias disse...

Está tudo ao contrário?!

Eu não tenho pena de nenhum dos participantes, querido scorpion!

All they want is money.

And money makes the world go around...

CSD

Paula Raposo disse...

O que começa por estar mesmo ao contrário são os programas de televisão sem pés nem cabeça, mas com certeza cheios de audiências!!! Não há pachorra! Beijinhos para ti.