Desejos para o novo ano

segunda-feira, 2 de janeiro de 2006

Todos nós temos muitos desejos para o novo ano, quer para nós quer para os outros.
É de louvar este espírito solidário que nos inunda quer no Natal quer na passagem de ano...
O pior é que para nossa infelicidade a generosidae, a solidariedade e o espírito de grupo e de vivência para os outros apenas acontacem nestes dias.
Pedimos a paz para o mundo, mas aolongo do ano somos nós que foentamos a guerra com os nossos amigos, vizinhos, conhecidos, ou desconhecidos. Fomentámo-la, na condução, no trabalho, na escola, enfim na vida.
Por muito que nás queiramos não conseguimos evitá-lo.
Pedimos que a pobreza acabe, mas ao longo do ano não conseguimos ser solidários todos os dias, nem todas as semanas e se calhar nem todos os meses...
è complicado, não digo que não o seja, mas é preciso alertar para isto, tomarmos consciência disso para que a pouco e pouco nos consigamos emendar, ser mais pacíficos e mais generosos...
Contra mim falo, mas também eu preciso de "levar nas orelhas" para não me esquecer que estou no mundo, sou do mundo e pouco diferente sou dos outros, de vós e daquele mendigo que todos os dias vemos ou que sabemos que existe...
É triste este nosso mundo de discrepância e de falta de comunhão, mas não somos nós que o podemos mudar, o que podemos é mudar o nosso pequeno, pequeníssimo mundo...
O que realmente podemos mudar é o nosso coração...
E se virmos, ele é apenas uma gota no Oceano, não somos TUDO como muitas vezes pensamos, mas também não somos NADA, como constantemente supomos. Uma gota pode parecer insignificante no imenso Oceano, mas sem ela, sem a outrs sem nenhuma gota, não haveria oceano...
Valerá a pena pensar nisto???

2 Disseram...:

funxinha disse...

muito bom post...de facto esta é uma realidade, geralmente empurramos a culpa para cima do próximo e não nós apercebemos que somos cumplices dos erros neste mundo. Parabéns pelo blog

Paula Raposo disse...

Claro que vale a pena. Cada um tem que ser solidário, amigo, fraterno, não só numa época, mas durante todos os dias da nossa vida. Obrigada pelo teu comentário no meu 'começo'. Beijinhos.