A essência da nossa presença!

domingo, 25 de fevereiro de 2007




Intriga-me o mundo dos perfumes!
Deixa-me algo perplexo o facto de um frasquinho tão pequeno podermos ter tanto aroma e de que com duas ou três gotas podermos manter o cheiro em nós por mais de doze horas...
É interessante todo este fenómeno das essências...
Quando compramos um perfume novo, que não estamos habituados a usar, temos acesso ao cheiro, ficamos todos felizes porque conseguimos saber o que as outras pessoas sentem ao chegar a nós. No entanto, à medida que o tempo vai passando, o cheiro vai desaparecendo para nós, vamos deixando de sentir o nosso próprio aroma o que nos leva a perguntar se será o perfume a deixar de fazer efeito, se teremos sido enganados e quem no-lo vendeu nos teria burlado. Estas dúvidas ficam dissipadas, quando, ao cumprimentarmos alguém, somos confrontados com a frase: "cheiras bem, que perfume usas?"; então, aí ficamos felicíssimos e queremos cumprimentar toda gente porque temos a certeza que o perfume continua a desempenhar a sua função, continua a deixar o nosso aroma onde quer que passemos.
Quero agora comparar esse aroma e essa forma de actuar do perfume, à nossa presença. Estranho? Nem por isso, vejamos:
Quando chegamos a um sítio pela primeira vez, a reacção das outras pessoas é como quando pomos perfume: todos, inclusive nós, sentem o aroma, neste caso, a nossa presença. No entanto, com o tempo vamos deixando de sentir esse aroma, criamos habituação. Da mesma forma deixamos de sentir a importância da nossa presença e começamos a sentir-nos tristes, pois parecemos apenas mais um no meio de muitos. No entanto quando alguém nos diz, ou ouvimos uma conversa paralela, onde se ouve: “sem o N, isto não seria o mesmo…” voltamos a ter o entusiasmo da primeira vez que ali entramos, voltamos a sentir o nosso aroma, voltamo-nos a sentir úteis, imprescindíveis, únicos, voltamos a sentir que afinal quem nos atendeu na perfumaria não nos enganou e o nosso perfume é mesmo verdadeiro, duradouro e estimulante para as outras pessoas, para quem passa por nós. Contudo, arrisco-me a dizer que a nossa presença é ainda mais forte do que o aroma de um perfume, pois é capaz de perdurar ao longo de muitos anos. Nunca aconteceu estar com uma pessoa, uma única vez, e passado um x de dias, meses ou mesmo anos, saber que essa pessoa perguntou por vós? É bom, não é?
É esta nossa presença única e insubstituível que faz de nós pessoas maravilhosas, únicas e com um aroma inconfundível.
Realmente temos muito a ver com os perfumes, se repararmos os aromas não caem bem e não têm a mesma reacção em todas as pessoas. O mesmo perfume, pode ter aromas diferentes em pessoas diferentes... Da mesma maneira, a nossa presença tem efeitos diferentes em cada pessoa, marcamos cada pessoa de maneira diferente, amamos cada pessoa de maneira diferente...
Há ainda outra coisa que temos em comum, a sedução...
Os perfumes têm um poder muito grande de estimular os nossos sentidos, incluindo os da sedução e de sermos seduzidos, tal como a nossa presença pode seduzir, pode deixar-se ser seduzida e "comprada" digo, conquistada...


Por Fernando Catarino

in Jornal Terra Quente

2 Disseram...:

Salcedas Duarte disse...

Sublime e interessantíssimo... Parabéns

Catarino disse...

Obrigado pelo teu comentário...
A propósito do silêncio o meu próximo post vai abordar exactamente esse tema...
Um abraço...