O Sentido da vida

terça-feira, 5 de junho de 2007



Desafiaram-me a escrever um texto acerca do sentido da vida para mim. Gostei do desafio e aqui estou a partilhar convosco a minha reflexão.
Para mim o sentido e o fundamento da vida é o amor. Sem amor a vida não faz sentido. Sem amar não vale a pena existir. Uma vida que não tenha o seu fundamento no amor é uma vida seca, triste, cinzenta, amargurada, desconsolada. Se não amarmos, ficamos, tal como a vida, cinzentos e amargos.
Bom, mas este meu sentido do amor é tudo menos restrito e restritivo. Falo do amor global, que obviamente também pode incluir o amor entre duas pessoas, mas não é só isso. Falo do amor a tudo o que fazemos. Nota-se a diferença entre as pessoas que amam o que fazem e aquelas que o fazem só por fazer… Vamos ver os diversos tipos de amor que para mim podem fundamentar uma vida, podem realmente dar alegria e sentido para estes anos que passamos por este mundo tão difícil e complicado.
Primeiramente e antes de mais, (desculpem-me os não crentes) o Amor por excelência, aquele que Deus tem por todos nós, independentemente de acreditarmos ou não n’Ele. É um amor desinteressado, livre, gratuito, total. Temos de ter a certeza de que Ele, que nos chamou à vida, nos ama como ninguém. Deus só sabe contar até um, cada um de nós, ama-nos de forma única e indivisível. Esse deve ser o nosso primeiro grande amor, o amor recíproco que devemos nutrir por Deus. Experimentem amar a Deus e verão como a vida vos sorri mais e como os dias serão mais coloridos e menos cinzentos. A vida terá, obrigatoriamente, outro sabor.
Depois o amor aos outros. Claro que não sou utópico ao ponto de pedir que todos nos amemos, mas pelo menos, tentemos amar aqueles que se cruzam connosco no dia-a-dia. Tentemos amar aquela senhora chata lá da rua. Tentemos amar aquele cliente chato que todos os dias passa pela loja e ao fim do mês não comprou nada. Tentemos amar o professor de que porventura não gostamos. Tentemos amar aquele aluno resmungão e que nunca está calado. Se amarmos estas pessoas veremos que elas não são tão insuportáveis como nos parecem.
Amemos as nossas profissões. Pode não ser a que sempre desejamos, pode até ser aquela que nós dissemos que nunca a iríamos realizar, mas amemo-la como se tivesse sido a nossa primeira escolha. Se a amarmos ela tornar-se-á diferente, veremos as coisas que fazemos todos os dias adquirirem um sabor especial. Descobriremos que, afinal, não é tão mau como a tínhamos pintado, e por conseguinte teremos muito mais prazer, muita mais alegria em cada dia que nos levantamos.
Amemos a vida.
A nossa vida é única, irrepetível. Nós somos seres únicos, ninguém é igual a nós. Ninguém se repete. É certo que ninguém pediu para nascer, mas o primeiro milagre que acontece nas nossas vidas é mesmo esse, o nascimento. O Eu e o tu. Únicos, que, juntos, formamos um só Eu que é a humanidade.
De facto se orientarmos o sentido da nossa vida para o amor, veremos que ela adquire um novo significado. Amemos o bom e o mau que a vida tem e o bom tornar-se-á óptimo quanto ao mau será, seguramente, menos mau…
Coloquemos os óculos do amor e veremos o mundo, a vida, os outros, nós próprios de uma forma mais colorida, mais alegre, mais clara e agradável.
É este o sentido da vida, o amor. Mas, para mim, este amor de que vos falei tem de estar alicerçado no Outro Amor, no Amor por excelência, no Amor de Deus…
O sentido da vida é o amor, a vida sem amor não tem sentido…




Por Fernando Catarino


in Jornal Terra Quente

15 Disseram...:

Flôr disse...

Ao olhar esta foto lembro-me que Deus nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz! :D

Beijo colorido com as cores do arco-iris.

:D

Flor

Flôr disse...

Quanto ao teu texto... que posso eu comentar, perante algo tão profundo, tão "vindo de dentro"?!!...

Conseguiste "prender-me" até ao fim... sabes, ao ler, parecia que estava a ler, EXACTAMENTE O QUE SINTO SOBRE O AMOR! :))

Beijo florido da Flor

Ah.. queria pedir-te que passasses pelo meu jardim, quando puderes, e pegues uma para ti... amarela ou branca... é que esta manhã ao colhé-las para as colocar no cesto... lembrei-me do amor de Deus e o meu coração lembrou-se de ti! :))

Espera!!! espero que não sejas daqueles que têm vergonha de receber... será que alguém já te ofereceu uma?!...

Fica com Deus

Flor

Belzebu disse...

Amigo Catarino,
"O sentido da vida é o amor, a vida sem amor não tem sentido…"

Escolhi a última frase do teu post, pois ela reflecte tudo aquilo que partilhamos, apesar das diferenças! Mas como em todas as diferenças se encontram pontos convergentes, cá estamos nós de acordo! Sabes bem que a figura de Deus não me é familiar, mas confio cegamente nos homens e na sua capacidade de amar e de se relacionar, com respeito, sem maniqueísmos primários!

Um grande abraço infernal!

Menina_marota disse...

"...Para mim o sentido e o fundamento da vida é o amor. Sem amor a vida não faz sentido. Sem amar não vale a pena existir. Uma vida que não tenha o seu fundamento no amor é uma vida seca, triste, cinzenta, amargurada, desconsolada. Se não amarmos, ficamos, tal como a vida, cinzentos e amargos."


Seria tudo bem mais simples se os "grandes" senhores do Mundo pensassem assim...Haveria mais PAZ.

Gostei muito de te ler. Parabéns pelo teu texto.

Um abraço ;))

Daniela rico disse...

:)
Ao ler este texto dá bem para ver a pessoa que está por detrás dele.
E tens razão, o fundamental na nossa vida é amar, seja q tipo de amor fôr, mas que seja amor...E no centro de tudo o amor a Deus...
Bjs e uma profunda admiração

Catarino disse...

Flôr, muito obrigado pelos teus comentários e pelas tuas partilhas...
Ainda bem que te consegui "prender" sem alegemas...
Sim já me ofereceram flores e gosto muito de oferecer um lindo ramo de flores...
Vou-te dizer uma coisita, que fica só entre nós: também tenho algum jeito para fazer arranjos floristicos e decorativos...
Beijo...

Catarino disse...

Amigo Belzebu,
É verdade o que dizes em relação à última frase, realmente reflecte o que partilhamos, mesmo com as nossas diferenças... Eu tive o cuidado de ter em atenção pessoas como tu, que não creem. Sabes, vou-te fazer uma confissão: tenho muita pena que a figura de Deus não faça parte da Tua vida, porque és uma pessoa fantástica e se desses esse pulo, de certeza que te ias tornar uma pessoa ainda mais fantástica (sim eu sei que é difícil, que parece impossivel, mas é verdade)!!!
Irias acreditar ainda mais nos homens e ainda mais em ti... Seria quase perfeito...
Mas ainda assim, continuamos a partilhar mais uma coisa, a crença nos homens, mas a minha crença em nós está fundamentada na crença nAquele que nos criou...
Um abraço meu bom amigo

Catarino disse...

Menina_marota, também gostei que tivesses passado por cá... Foi agradável a tua visita e o teu comentário...
já te disse que espero ver-te por cá mais vezes...
beijo

Daniela, Sim é verdade, o fundamental é o amor, mas se ele for alicerçado no Amor de Deus, mais perfeito se torna...
Obrigado pela tua admiração, vou tentar não a defraudar...

Paula Raposo disse...

Um óptimo texto. Gostei de te ler. Mas não opino. Beijos.

Diabólica disse...

Amigo Catarino,

Este artigo é mto profundo e fez-me pensar bastante na vida, nos amigos, e pq não nos inimigos...

Como sabes sou católica e por isso tb partilho da tua opinião, e do amor q devemos dedicar a adeus

""O sentido da vida é o amor, a vida sem amor não tem sentido…", isto é acima de td é o q interessa nesta nossa passagem. O amor é o elixir da vida.

Beijitos

Belzebu disse...

eheheh!! Eu sei que tu sabes, que eu não deixaria de aqui voltar! Aliás é sempre um prazer trocar ideias com alguém como tu, meu amigo! Na realidade, estou convicto que é possível ser-se feliz e socialmente razoável, acreditando sempre nas nossas potencialidades, com equilíbrio e convicção, sem o apoio de uma figura, respeitável sem dúvida, mas que nos condiciona. Julgo que os valores que partilhamos e as preocupações que temos, são a prova de que Ele, não é essencial, nós sim, somos!

Um abraço verdadeiramente infernal de amizade!

Catarino disse...

Diabólica, sem dúvida que o amor é o elixir da vida e acrescentaria, da vida em plenitude...
Aquele beijo para ti...

Catarino disse...

Amigo Belzebu, sabes, Deus não limita, embora muitas vezes se possa ter caído no erro de fazer crer que sim... Ele pelo contrário liberta... Eu sentirme-ia muito mais preso, muito menos pleno, muito mais aprisionado se não confiasse e acreditasse n'Ele. Estaria sem dúvida aprisionado ao tempo e aos poucos anos que vivo nesta terra, assim, sou muito mais livre, pois sei que estou de passagem para um mundo melhor, para uma alegria que não tem limites nem pode ser descrita...
E isso sim é libertador...
Abraço libertador, deste teu Amigo que te estima...

Catarino disse...

Ups, um erro: Sentir-me-ia em vez de sentirme-ia...Lol
Só depois é que vi...

Belzebu disse...

Amigo Catarino, foste por mim outorgado com o "Prémio Blog com Tomates". Poderás ver os pormenores em http://blogcomtomates.blogspot.com/

Um abraço infernal!