Desencontro encontrado...

domingo, 9 de março de 2008




Perdidos num mundo que é o nosso.
Desencontrados num tempo que nos pertence.
Desorientados na bússola da vida.
Alternamos de um para o outro lado.
Vagabundeamos nas ruas escuras e frias da vida.
Cruzamos esquinas de candeeiros apagados.
Pomos o pé numa poça de água.
Inebriamo-nos dos odores da cidade vazia.
Eu passo por ti, tu passas por mim.
Não me vês. Não te vejo.
Seguimos.
A escuridão é muita, é forte.
Poucos raios de luz irrompem nela.

Tu segues um, eu sigo outro!

É através dessa linha ténue de luz que se faz o caminho.
É rasgando as sombras que se encontra a luz.
Acendem-se finalmente os candeeiros.
Acertamos no caminho que antes estava molhado.
Traçamos o nosso dia-dia.
Orientamos a bússola, encontramos o norte.
Encontramos o nosso tempo e o tempo que é nosso.
Achados num mundo que é nosso, no nosso mundo...

14 Disseram...:

Diabólica disse...

"Achados num mundo que é o nosso", para mim esse é o problema.

Tornamo-nos cada vez seres mais egoítas e insensiveis e isso preocupa-me.

P.S- Parabéns pelo teu novo espaço. Está espectacular!

Paulo disse...

Para além do novo visual, muito mais "leve" e em Azul, (como gosto desta cor) também gostei muito do poema, dele retiro:
"Eu passo por ti, tu passas por mim.
Não me vês. Não te vejo."

sppalavrasnuncatedirei.blogs.sapo.pt disse...

Olá, vim conhecer-te.
Parabéns pelo blog, beijinhos,

Mocho-Real disse...

Com afranqueza que quem me conhece sabe ser autêntica, digo-lhe que gostei.
Muito bom o ambiente criado, tanto pelas palavras do poema como pela imagem escolhida.
Os meus parabéns, um poeta faz-se escrevendo e lendo muito.

O template serve bem os propósitos anunciados no anterior escrito.

Saudações e obrigado por me haver descoberto e visitado.
Jorge G.

Catarino disse...

Diabólica, muito obrigado pela tua visita...
Sem dúvida que isso é preocupante... Quanto mais nos isolamos, mais perdemos e com isso mais pobres ficamos...
Um Beijo...

Catarino disse...

Paulo, também eu gosto muito desta cor... Por várias razões, entre elas a paz e a serenidade que o azul bébé nos transmite...
Abraço, espero continuar a ver-te por este meu cantinho...

Catarino disse...

Querida as palavras que nunca te direi é a primeira vez que te vejo pelo meu espaço...
Espero continuar a ver-te por cá e continuar a ter comentários teus...
Um beijo de até já...

Catarino disse...

Mocho-real... Quem me conhece sabe que não sou um poeta (para muita pena minha)... Serei uma espécie de escritor, porque se calhar nem isso faço com a mestria que as palavras e os textos mereciam...
Fico feliz por saber que o template serve os meus propósitos....
Encontrei-o e não mais o perderei...
Um abraço de até já...

Paula Raposo disse...

Há muito tempo que não te visitava aqui. Gostei de te ler. Gostei do novo template. Gostei de tudo. Assim como da tua visita...mas também tenho outro blog, não só o páginas, o romasdapaula. Que tudo esteja a correr-te bem é o que te desejo. Beijos meus.

Paula Raposo disse...

Desculpa a distracção (que tem sido imensa nos últimos tempos) mas vi que tens os meus dois blogs nos teus links...às vezes tenho ataques de burrice. É verdade, penso ter passado perto do teu seminário em Bragança. É não é?? Estive por lá em Janeiro e fazia um 'frio de rachar'...eh eh eh

Catarino disse...

Querida Paula...
Sim, de facto já estranhava a tua ausência...
É bom ver-te por aqui...
Provavelmente estiveste perto do meu seminário (uma casa amarela, grande)...
Lá é normal esse frio...
Beijo volta, que fazes falta por aqui...

Anónimo disse...

Por vezes, gostava de me perder neste mundo que é nosso... meu e teu, neste mundo que é de todos nós. Sinto que caminho nessa escuridão, pois percorro um caminho o qual não vejo. Não sei onde ponho os pés em cada passo que dou. Não sei para onde me leva esse caminho misterioso que percorro, não sei para onde alguém me conduz...
Talvez seja só preciso fechar os olhos... deixar-me conduzir... e aí, talvez, alguns, poucos raios de luz cheguem a mim, ao longo do caminho, ao meu caminho, meu e de alguém... alguém que me guia... que caminha ao meu lado, me dá a mão e me leva... Mas sei que também Alguém lá em cima olha por mim...por nós... Ele há-de guiar quem me conduz...


Alguém que ainda acredita...!

Anónimo disse...

Amigo é aquele que não tem rosto, tem sentimento...
Amigo é aquele que não tem raça. tem coração...
Amigo é aquele que não tem preconceito e, sim, mãos estendidas...
Amigo é aquele que não tem hora pois toda hora é hora...
Amigo não tem sorriso, tem expressão...
Amigo não tem beleza, tem perfeição...
Amigo não é visita, pois é sempre bem-vindo...
Amigo é aquele que não tem palavras, tem o abraço...
Amigo não aponta seus defeitos, evidencia as suas qualidades...
Mesmo não sendo meu amigo...conta com mais...UM... (amigo)...
podes não me conheçer...provavelmente ja ouviste falar em mim...ou então não...
mas muito breve vai acontecer...pela kathya...pois aquilo que escreves é muito bonito...
principalmente quando se gosta de alguem...
PS...fiz questão de utilizar sempre o nome do autor...quando me exprimi utilizando as tuas palavras...
De: Jorge Manuel Monteiro Alves

Vento Norte disse...

Bom dia

Gostei do seu blog. Será por causa do nome?...

Cumprimentos

Jorge Manuel Monteiro Alves

http://ventonortept.blogspot.pt/